quarta-feira, 26 de julho de 2017

Pelos caminhos do Alentejo Central










Achamos que somos uns felizardos por podermos percorrer estes trilhos de mochila ás costas...
Junta-te a nós! Partilha ideias e projetos connosco!
Há um movimento por todo o planeta de pessoas com um estilo de vida muito próprio, em busca de hábitos saudáveis e com uma paixão enorme pela natureza.
Novos Rurais...

Se estás disposto a vir caminhar com os guias locais do Projeto Alcáçovas Outdoor da Associação dos Amigos das Alcáçovas, serás muito bem vindo nas nossas caminhadas gratuitas de divulgação.
Uma vez por mês, cá vamos nós...
( E podes trazer um amigo também...)
Basta estares atento a este blogue ...

Fotos da autoria do nosso compadre e amigo Nuno Grave.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Praia Atlântico







Na Península de Tróia, esta praia situada dentro do empreendimento turístico "SolTróia" é uma agradável surpresa porque oferece muito boas condições para dar um mergulho, dado que não existe um desnível exagerado no areal e as correntes não são fortes, permitindo a tipos como eu, que não estão muito entusiasmados em aprender a nadar bem, poderem dar largas a umas braçadas sem perigo de se afogarem...
De resto, embora o estacionamento seja pago, o valor não é exorbitante e há sempre lugares vagos, mesmo no pino do Verão...
Com uma vista magnifica sobre a Serra da Arrábida, esta é uma boa proposta para um dia de férias em família...

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Património Religioso

Igreja da Ordem Terceira de São Francisco - Nossa Senhora da Cabeça - Elvas
Foto: Celestino Manuel
Catedral de Évora
Foto: Mariana Barão
Capela de Nª Sra da Penha..
Castelo de Vide.
Foto: Joaquim Iria Baptista

A sociedade é representada pelo seu Património, através do qual ela mesma se mostra.
O Património é a nossa herança do passado, com que vivemos hoje, e que passamos às gerações vindouras.

Está representado, tal como a Sociedade, através da ideologia, cultura, religião, instituições, organizações e território, tudo o que representa o resultado das forças activas dos seus membros. Por tudo isto, para o desenvolvimento de qualquer actividade e, principalmente, do turismo, todas as manifestações de Património Cultural devem ser preservadas ,respeitadas e divulgadas.
O Alentejo é uma região do país repleto de igrejas e santuários. O seu patrimônio religioso impressiona pela grandiosidade e arquitectura primorosa. É uma parte tão rica em cultura e história do Alentejo e de Portugal que não é de interesse apenas dos devotos, mas de todos os turistas que o visitam o país..
- Ana Maria Saraiva, https://www.facebook.com/groups/imagensdoalentejo/

domingo, 23 de julho de 2017

Caminhada "Canadas d'Alcáçovas"
















22JUL17- Caminhada "Canadas d' Alcáçovas".
Evento inserido no Programa da Feira do Chocalho 2017.
10 Kms  - 33 Participantes.
Mais uma vez, o Projeto Alcáçovas Outdoor Trails organizou uma caminhada gratuita de divulgação, de forma a atrair visitantes e dar-lhes a conhecer o imenso museu natural e rural onde vivemos. Desta vez, agradecemos á Fábrica de Chocalhos Pardalinho a excelente visita ás suas instalações que nos foi proporcionada e á Paróquia de Alcáçovas a visita á Igreja Matriz do Salvador de Alcáçovas.

sábado, 22 de julho de 2017

Vale de Açor de Cima (Mértola)


Viajar no Alentejo significa percorrer grandes distâncias sem encontrar nenhuma povoação. As aldeias são, em geral, de grandes dimensões. Mas há áreas que constituem exceção, como é o caso do concelho de Mértola, com uma antiga dispersão do povoamento.
Na estrada que liga Beja a Mértola, surge surpreendentemente, numa elevação, uma igreja e um pequeno aglomerado de casas. Trata-se de Vale de Açor de Cima. Não se via ninguém por ali.
Não fazemos ideia dos topónimos que se repetem ao longo do país. Claro que havendo um Açor de Cima também há um Açor de Baixo, bem próximo deste, no fundo de um vale.
Achei muito interessante encontrar uma igreja como esta num lugar tão pequeno.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Abetardas

Abetardas (Otis tarda)
Castro Verde, 02/03/2017

Foto: Paulo Almeida Plácido
Identificação

Muito grande. Os machos chegam a pesar 16 kg, as fêmeas são um pouco mais pequenas, sendo a
diferença visível quando estão perto dos machos. A plumagem é castanha e o pescoço esbranquiçado.
Devido ao seu comportamento muito arisco, as abetardas raramente se deixam ver a pequena distância,
pelo que estes aspectos nem sempre são fáceis de observar.


Abundância e calendário


Pouco comum e com uma distribuição muito localizada, a abetarda muito difícil de encontrar fora dos seus
locais habituais de ocorrência. A espécie conta hoje em Portugal com uma população de cerca de 1000
indivíduos (metade dos quais se encontram nas planícies de
Castro Verde). Frequenta sobretudo grandes
extensões abertas e dificilmente tolera aproximações de pessoas a menos de um quilómetro. Embora a
espécie seja sobretudo residente, é habitual haver alguma dispersão de indivíduos nos meses de Verão,
havendo então observações esporádicas de abetardas noutras regiões do país.


Onde observar

É nas planícies alentejanas que é mais fácil observar esta espécie. No Inverno se formam-se
bandos que podem reunir muitas dezenas de indivíduos.



Beira interiora abetarda é rara para norte do Tejo, sendo a campina de Idanha o melhor
local da região para observar esta espécie.


Lisboa e Vale do Tejorara e irregular, não nidifica nesta zona; por vezes observa-se no
estuário do Tejo (em especial na Ponta da Erva) durante os meses de Verão.


Alentejoa região de Castro Verde reúne a maior concentração de abetardas do país e é
o melhor local do território nacional para observar esta espécie; outros locais favoráveis para ver abetardas situam-se nas zonas de Cuba, Mourão, Elvas, Évora e Alter do Chão.

Texto copiado integralmente do site: http://www.avesdeportugal.info/

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Memórias da Feira das Alcáçovas


Julho de 2017
Recuemos muitos e muitos anos!
Recuemos á minha adolescência!
E porquê ?
Porque estamos na semana da Feira Anual em Alcáçovas, hoje Feira do Chocalho!
Relembro o entusiasmo que antecedia a dita feira! Era altura de se ir á costureira para se mandar fazer um vestido para esse evento!
Por vezes não podia escolher o modelo, nem o comprimento da saia! De preferência abaixo do joelho porque a decência assim o exigia!
Depois era altura de ter também umas sandálias feitas á medida e com protetores á frente para durarem mais!
Adorava ir ao sapateiro! Colocava o pé em cima de um papel e ele com um lápis contornava!

Até sabia bem assistir a este profissionalismo!...
Nada ficava por esclarecer! Cabedal castanho e sola bem forte e com mais um acréscimo não fosse o pé crescer muito!
Infelizmente deu azar! ( Cresceu pouco! )
E o grande dia chegava:
Lá ia com a minha mãe, parentes e amigas!
Era a loucura total, o som da musica do carrocel, da propaganda de carrinhas de roupa e barracas agrupadas com tanta coisa que ficávamos fascinadas!
E começava a desilusão! As mães não deixavam andar as filhas sózinhas, pois havia os homens do circo todos com mau aspecto e sabia-se lá se nos roubavam ou, pior, se nos raptavam!...
Grande parte da noite era na propaganda dos cobertores onde por uns determinados escudos iam acrescentando peças! Um cobertor...mais outro até somarem 5 e mais uma colcha e porque não também uma toalha de mesa e lá para o final até haveria ( isto para manter ali as pessoas), uma surpresa, como por exemplo um rádio pequenino ou outra invenção!
E eu desesperava a pensar nas girafas do carrocel e nos rapazitos que por ali andavam! Mas enfim lá dava depois uma volta porque era caro!
Então aprendi um truque! Colocava-me mesmo junto á pista que rodava e tinha a sensação que estava andar lá!
Felizes dos que têm imaginação!
No Domingo íamos ao circo! Um encanto! ...

Tudo era fascínio! De noite sonhava com as magias vistas lá!
Por fim comprava-se o torrão doce do de amendoim pois o de amêndoa era mais caro e farturas que até nem tinham gordura.....
E era altura das compras dos tachos e das frigideiras de aluminio para substituir o que se tinha estragado!
Terminavamos com a cerimónia de tirarmos o retrato junto de uma floreira!
E depois de tanta novidade, ficávamos a sonhar com a feira do próximo ano..........
Mas voltando á realidade:

Esta semana é a feira do Chocalho que substituiu a chamada feira da conversa..........
Mas esta seria outra história....

Crónica da autoria da nossa comadre amiga Lucília Rasteiro.