segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Borrachos Alentejanos


Borrachos Alentejanos

Ingredientes

300g farinha trigo
125g banha de porco
1 ovo
125g vinho branco
1/2 cálice aguardente
1 (colher chá) canela
1 (colher chá) fermento em pó
sumo meia laranja
óleo fritar
Açúcar e canela para polvilhar

Preparação

Comece por derreter a banha no micro ondas, à parte coloque numa tigela a farinha, a canela e o fermento, faço um buraco no centro da farinha e coloco a banha a ferver e misturo tudo com as mãos.
De seguida aqueço também o vinho branco e junto à mistura.
Depois de bem misturada, junto a aguardente, o sumo de laranja e o ovo.
Amasse bem até formar uma massa elástica e que não cole ás mãos (eu tive de juntar mais um pouco de farinha) e deixe repousar durante +- 15 min.
Numa bancada enfarinhada estende-se a massa com a ajuda de um rolo (eu gosto dos borrachos com a massa fininha) com um copo faço os círculos e com uma tampinha fiz o buraco no centro.
Frita-se em óleo bem quente e polvilha-se com açúcar e canela.
São muito bons e fáceis de fazer.


Fonte original todos os direitos reservados a:http://hafestanacozinha.blogspot.pt




domingo, 30 de dezembro de 2018

Sopa da Panela


Sopa da Panela

Ingredientes:
Receita para 6 pessoas
- ½ Galinha do campo
- 300g de borrego
- 300g de vitela
- 300g de pá de porco
- 150g de toucinho
- 1 pombo bravo e 1 perdiz
- 1 chouriço sangue ou vinagre
- 1 linguiça e 1 farinheira
- 1 cebola e 1 dente de alho
- 1 cravinho em grão
- Sal, salsa e hortelã  q.b.
- 500g de pão

Preparação:
Arranje as carnes, incluindo os enchidos,  introduza numa panela juntamente com o raminho de salsa, a cebola, o alho, o sal e o cravinho.  Adicione cerca de 2,5 litros de água, leve ao lume e deixe ferver, retirando a espuma quando necessário.
No final da cozedura retire a carne para uma travessa e corte-a em pedaços. Corte o pão em fatias finas, deite numa terrina, regue com o caldo e espalhe por cima raminhos de hortelã.
Está pronto a servir.

Receita gentilmente cedida por:
Sérgio Miguel Sobral Farião Aniceto
Canhestros

sábado, 29 de dezembro de 2018

Alentejo...











Para se conhecer bem o Alentejo é preciso visitá-lo em todas as estações. A paisagem muda muito ao longo do ano e são sazonais as actividades rurais mais interessantes que podem observar-se.
Tal como muda a paisagem, muda a sua flora e a sua fauna e esta mudança é como bálsamo para a alma.
Visite o Alentejo e deixe-se inebriar pelos perfumes da natureza num Alentejo que tem mais para oferecer do que o dourado das searas. Descubra toda a paleta de cores e aromas de que é feito o Alentejo. Caminhe a pé pelo verde das Serras d’ Ossa e Monfurado, Portel ou Grândola, onde vivem em sossego variadas espécies de flora e fauna e aprecie as vistas.
Explore o Parque Natural da Serra de S. Mamede onde têm encontro marcado as paisagens que caracterizam o sul e o norte de Portugal. Raposas, águias, as razões são inúmeras para conhecer os segredos da Serra que apresenta o ponto mais alto a sul do Tejo. Entre campos de cereais e pousios, nas estepes sem fim, esconde-se avifauna riquíssima. 
Dirija-se a Castro Verde e percorra circuitos ambientais que o iniciam no mundo da observação de aves que são verdadeiros prodígios da natureza e aprecia o Campo da Terras Brancas no seu melhor. As planícies de Castro Verde, que se enchem de milhares de flores brancas durante a Primavera, proporcionam excelentes hipóteses de passeios a pé ou de bicicleta, nos quais se pode apreciar a fauna e a flora típicas das estepes cerealíferas alentejanas. É este vasto espaço aberto que as cegonhas brancas escolheram para fazer os seus ninhos. Também as abetardas, os falcões peregrinos e os grifos preferem a solidão da planície dourada.
A margem esquerda do Guadiana é uma das regiões mais bem conservadas do nosso país do ponto de vista dos habitats naturais e de maior importância para a fauna. A região compreendida entre Mourão, Moura e Barrancos é composta por paisagens distintas e essenciais para a conservação da avifauna, e como tal considerada como merecedora de conservação ao nível comunitário pelas suas características, daí justificar-se a sua classificação como ZPE (Zona de Protecção Especial para as Aves). Uma parte muito relevante das espécies ameaçadas no nosso país encontra abrigo na diversidade de habitats da região, que inclui estepes cerealíferas de sequeiro, montados de azinho, formações florestais densas e vales de ribeiras torrenciais revestidos de matagais densos e vegetação ripícola.
No Alentejo, o montado apresenta grandes extensões de azinheiras e de sobreiros, os chamados montados de azinho e sobro, e pequenas áreas de carvalho negral. De toda a flora do montado, o sobreiro é a espécie mais abundante. Considerado património nacional, o montado de sobro é protegido por lei (Decreto-lei nº 169/2001), sendo proibido o seu abate. Contudo, a sua plantação é incentivada, uma vez que a exploração da cortiça (proveniente do sobreiro), essencialmente para o fabrico de rolhas, transformou-se numa indústria de enorme importância económica.
Por outro lado, estes ecossistemas são propícios para a agricultura, que é praticada de forma sustentável nalgumas áreas de montado e tem uma grande importância a nível ecológico e económico, sendo um exemplo de sustentabilidade ambiental. 
A flora do litoral alentejano é caracterizada pelo cruzamento de influências Norte Atlânticas, Mediterrânicas e Africanas, de que resultam condições ecológicas singulares e uma enorme diversidade de fauna e flora, o que confere uma enorme riqueza natural à região.


Fotos da autoria do nosso compadre Luís Lobato de Faria ( Monte da Fonte Santa, Alandroal)
Texto ( arranjado ) da autoria da nossa comadre Ana Maria Saraiva.
https://www.facebook.com/groups/imagensdoalentejo/

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Capela das Conchas ( Alcáçovas )











A Igreja de Nossa Senhora da Conceição, mais conhecida por Capela das Conchas, é um monumento anexo aos jardins do Paço Real, fundada em 1622 por D. Henrique Henriques. Originalmente dedicada a S. Jerónimo, apresenta ainda vestígios de curiosa decoração com elementos conchoides, calcários e ceramógrafos. Podemos encontrar semelhante ornamentação na entrada do jardim do Paço Real.
Este tipo de decoração, de gosto seiscentista, influenciada pela forte tradição marítima portuguesa, é atribuído a D. Jorge Henriques, homem muito viajado por paragens do Extremo Oriente.
Recentemente recuperada, pode ser visitada todos os dias / excepto Segundas-Feiras), das 10H ás 13H e das 15H ás 17H.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Recolha de lixo











Em Alcáçovas, a represa de Vale de Tanques e o seu parque de merendas é um local perfeito para passarmos momentos muito agradáveis com os amigos e família.
Este ano,  o Grupo Pedestrianista Alcáçovas Outdoor escolheu este local para mais uma recolha de lixo.
Nas suas margens, garrafas de vidro e de plástico, latas de conserva, cordas e fios de nylon foram dos materiais encontrados mais usuais e foram recolhidos directamente para o contentor de lixo mais próximo.
Este foi a nossa prendinha de Natal para a comunidade ...


quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Relojoaria Pisco ( Alcáçovas )



Mais uma boa máquina restaurada pelo mestre relojoeiro António Pisco.
Quem disse que em Alcáçovas só há mestres Chocalheiros ?

Esta relojoaria está situada na Rua da Esperança, em Alcáçovas e repara antigos mecanismos de relógios com dezenas de anos.
Podem trazer os vossos relógios antigos, vamos ver o que se pode fazer....
Ás vezes, há dificuldade em encontrar as peças para os mecanismos, mas esta relojoaria ainda tem um bom stock...
Mais um motivo para visitar Alcáçovas !...

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Arroz Doce


Arroz doce!! 
1 litro de leite. 200 grs de açúcar. 3 gemas de ovos, canela moída e uma casca de limão e uma pitada de sal e 200 grs de arroz carolino! 
Leve ao lume o leite com todos os Ingredientes e deixe cozer em lume brando até o arroz estar bem cozido! 
Desfaça as gemas numa tigela e misture no tacho! 
Leve novamente ao lume 1 minuto sem parar de mexer! O seu arroz doce está pronto!! 
Delicie-se!



domingo, 23 de dezembro de 2018

Natal Eco sustentável

Se por acaso já tem uma árvore artificial em plástico, reutilize-a o mais possível, repare-a se necessário, mas não a deite fora. 
Não pode ser reciclada e o plástico contém, habitualmente, retardadores de chama que podem ter impactos muito negativos na nossa saúde e no ambiente. 
Após a montagem e desmontagem lave bem as mãos e limpe as superfícies próximas de forma a evitar que as eventuais substâncias químicas perigosas tenham a oportunidade de se espalhar pela sua casa. 
Reutilização também é a palavra de ordem para as decorações de Natal.

sábado, 22 de dezembro de 2018

Buddha Peaceful Oasis ( Santa Susana )










Herdade no meio do Alentejo, do mais belo de Portugal, entre Alcácer do Sal e Montemor-o-Novo, com mais de 60 hectares misturadas com montanhas, rios, florestas e campos abertos.
Lugar ideal para desconectar-se da sua rotina diária e recarregar as suas baterias, para ferias em família ou eventos relaxantes em grupos. Piscina coberta confortável e muita privacidade rodeado de uma ampla área natural.
A casa esta integrada no Centro de Retiros e Meditação de Budismo Tibetano,
Thubten Phuntsog Gephel Ling.
Aproveite para explorar as 60 hectares desta herdade, trilhos, rio, cascata e muita natureza. Nos arredores, irá encontrar muitos sítios lindos e interessantes como praias, castelos, grutas e vilas típicas. Não deixe de experimentar a gastronomia Alentejana, não se irá arrepender.
                                                www.buddhapeacefuloasis.com                                                                                                   Fotos: Grupo Pedestrianista Alcáçovas Outdoor.