segunda-feira, 29 de maio de 2017

Festival Pedreira dos Sons 17






No passado fim de semana 26, 27 e 28 de Maio, cumpriu-se mais um Festival Pedreira dos Sons, em Viana do Alentejo.
Num cenário natural, este anfiteatro temporário está situado em plena Pedreira abandonada e onde o som é puríssimo, foi muito agradável ouvir variados tipos de música, desde o Cante Alentejano, Sopros, Acordeão, Jazz e Música Sinfónica.
Uma saudação muito especial aos dois grupos de Cante que actuaram,  "Velha Guarda" e "Tertúlia dos Amigos do Cante", ambos originários do concelho de Viana do Alentejo...

domingo, 28 de maio de 2017

Herdade das Murteiras ( Torre de Coelheiros)










O Alentejo Central é uma das grandes regiões megalíticas da Europa, com perto de um milhar de monumentos conhecidos (sobretudo construções funerárias, de vários tipos,  para além dos menires e recintos megalíticos), alguns deles com dimensões excepcionais.
O roteiro da Herdade das Murteiras integra, num espaço muito restrito, diversos vestígios de actividade quotidiana e ritual, nomeadamente povoados e monumentos megalíticos, revelando uma dinâmica de ocupação do espaço e uma continuidade cultural – mais ou menos intermitente - que abarca vários milénios.
http://fundacaoeugeniodealmeida.pt/murteiras/homepage.asp

Fotos da autoria do nosso compadre e amigo Luís Contente.

sábado, 27 de maio de 2017

Pelos caminhos do Alentejo Central...










O Projeto Alcáçovas Outdoor é um núcleo autónomo da Associação dos Amigos das Alcáçovas e organiza caminhadas e passeios fotográficos para empresas turísticas, grupos de amigos e entidades diversas que nos contactem com a finalidade de conhecer e percorrer percursos no concelho de Viana do Alentejo e certas áreas dos concelhos limítrofes,
Assim, somos especialistas em caminhadas em percursos nas seguintes localidades:
Alcáçovas, Aguiar, Viana do Alentejo, Santiago do Escoural, Casa Branca, Valverde, S. Brás do Regedouro, Vila Nova da Baronia, Torrão, S. Bartolomeu do Outeiro e Oriola.

Desde 2011, já vieram muitas centenas de eco-turistas caminhar connosco.
Em 2017, venha você também !...


Fotos da autoria do nosso compadre e amigo Nuno Grave.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Castelo de Noudar










O Castelo de Noudar localiza-se na antiga vila de mesmo nome, freguesia e concelho de Barrancos.
Sentinela da raia com Espanha, ergue-se isolado em uma elevação escarpada dominando a planície circundante e a ribeira de Múrtega e de Ardila, na margem esquerda do rio Guadiana. Testemunhou, juntamente com os castelos de Alandroal, Moura, Serpa e Veiros, a ação da Ordem de Avis na região.

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, nomeadamente desde 1167, a região foi conquistada pelas forças comandadas por Gonçalo Mendes da Maia, "o Lidador". Posteriormente, em 1253, a povoação recebeu foral do rei Afonso X de Castela, juntamente com outras localidades da margem esquerda do rio Guadiana, entre as quais Moura e Serpa, integrando o dote de sua filha, D. Brites, aquando do seu casamento com D. Afonso III nesse mesmo ano.
A povoação passaria definitivamente para a Coroa portuguesa pelo Tratado da Guarda (1295), que estabelecia a paz entre D. Dinis (1279-1325) e Fernando IV de Castela.

Fotos da autoria do nosso comapdre e amigo Francisco Fadista.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Dia da Espiga


Quinta-Feira da Ascensão e Dia da Espiga
Em primeiro lugar é preciso referir que são duas celebrações distintas, além de se comemorarem no mesmo dia. A Quinta-Feira da Ascensão, também conhecida por Festa da Ascensão, é uma celebração cristã que acontece em todo as cristãs. Por sua vez o Dia da Espiga, também conhecida por Quinta-feira da Espiga, é uma celebração portuguesa que acontece na Quinta-Feira da Ascensão.
A Quinta-Feira da Ascensão, como festa cristã que é, celebra a ascensão de Jesus ao céu. Os primeiros registos documentais conhecidos desta celebração datam do século V, embora existam relatos que é de origem apostólica. A quinta-feira da ascensão acontece 39 dia após o Domingo de Páscoa, não tendo assim uma data fixa. A data mais precoce possível é 30 de Abril, e 3 de Junho a mais tardia. Esta celebração chega mesmo a ser feriado nacional nalguns países.
O Dia da Espiga, ou também vulgarmente chamado de Quinta-Feira de Espiga, é uma celebração Portuguesa de culto Pagão que se realiza no mesmo dia que a quinta-feira da Ascensão. Neste dia manda a tradição sair se para o campo para ter contacto com a natureza e colher espigas e flores, para assim formar o tão conhecido Ramo da Espiga. O ramo da espiga é composto por diversas plantas campestres em que cada uma delas tem um simbolismo. Uma espiga, que simboliza o pão, um malmequer, que simboliza a fortuna, uma papoila, o amor, um ramo de oliveira, que simboliza a paz, alecrim, que simboliza a saúde, e a videira, que simboliza a alegria. Diz a tradição que o ramo deve ser pendurado por detrás da porta de entrada de nossas casas, e só deve ser retirado no ano seguindo, aquando a substituição por um novo.
A comemoração desde dia acontecia um pouco por todo o país. As gentes saíam para o campo, vestidas a rigor, num clima de festa e bailarico. Os piqueniques e merendas inundavam as paisagens. Testemunho disso é a tradicional moda alentejana “Quinta-Feira da Ascensão” que nos conta como seguiam as moças para o campo.

Hoje em dia o Dia da Espiga perdeu a festividade de outros tempos. No entanto existem ainda locais no nosso país que o comemoram, sendo o seu feriado municipal. São o caso do município de: Alcanena, Alenquer, Almeirim, Alter do Chão, Alvito, Anadia, Ansião, Arraiolos, Arruda dos Vinhos, Azambuja, Beja, Benavente, Cartaxo, Chamusca, Estremoz, Golegã, Loulé, Mafra, Marinha Grande, Mealhada, Melgaço, Monchique, Mortágua, Oliveira do Bairro, Quarteira, Salvaterra de Magos, Santa Comba Dão, Sobral de Monte Agraço, Torres Novas, Vidigueira e Vila Franca de Xira.

Texto e foto copiados do Site: http://conheceralentejo.pt/

Almarte (Almodôvar)


As artes de rua voltam a “mandar” em Almodôvar durante o Almarte- Festival Internacional de Artes na Rua, que decorre de 26 a 28 de Maio, sexta-feira a domingo.
Ao longo de três dias, a vila alentejana vai-se encher de «estátuas vivas, grafiti, música itinerante, magia, artes circenses, cante alentejano, fanfarra e majoretes, Ioga do riso, modelagem de balões, pinturas faciais, artesanato e teatro de rua».
A música, tocada em palco, também se fará ouvir. No dia 26, sexta-feira, o artista convidado é Paulo Ribeiro.
No sábado, o cabeça de cartaz é Tiago Bettencourt (ex-Toranja), mas quem visitar Almodôvar também poderá ver a atuação de Valas. No domingo, sobe ao palco a fadista Kátia Guerreiro, a formação de flamenco “Hermanas Romero” e “Monda”.
Com este cartaz e a muita animação que percorrerá as ruas da vila, Almodôvar espera atrair milhares de visitantes.
«Este é já um evento com provas dadas e consolidado a nível nacional e internacional, […] que mexe com o nosso comércio, o nosso turismo, a nossa hotelaria e restauração, o que é sempre uma lufada de ar fresco para a nossa economia», segundo a Câmara de Almodôvar.
O ALMARTE – Festival Internacional de Artes na Rua, é uma organização do Município de Almodôvar e é co-financiado por fundos comunitários ao abrigo da ajuda financeiro do Alentejo 2020.
As entradas são gratuitas.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Nas margens do Guadiana ( Pedrogão do Alentejo)










Desta vez, o caminho levou-me á bonita vila de Pedrogão do Alentejo, onde uns afloramentos rochosos nas margens do Rio Guadiana me chamaram a atenção. Que coisa mais surreal !...
O compadre e amigo Domingos Caracóis prestou-se para me guiar naquele enorme labirinto de rochas e após uma pequena caminhada da vila até lá, coisa de meia-hora, posso dizer que valeu a pena !...
Pedrogão do Alentejo está situada no concelho da Vidigueira, junto á Barragem do Pedrogão...


terça-feira, 23 de maio de 2017

No Festival Islâmico de Mértola






















No passado fim de semana fomos até Mértola, a vila que nos convida a saborear os sons, os sabores e os saberes dos tempos do Al-Andalus, através dum excelente e bem organizado Festival Islâmico...
É esta capacidade para interagir com outros povos e culturas que faz de nós, os Portugueses, um povo muito especial.
De facto, se analisarmos bem o nosso passado, qualquer um de nós possivelmente tem uma mistura de sangue Celta, Judeu, Mouro, talvez até Africano ou Asiático, etc, etc...

A Mértola islâmica dos dias do Festival enche-se de uma mistura de sonoridades de cá e de lá, do outro lado do mediterrâneo.
No “souk”, os cabedais, as djellabas, o incenso, o sândalo, o chá de menta, as especiarias e a mistura de vozes árabes e lusitanas dão cor, aroma e melodia especial às ruas cobertas de tecidos; refúgio perfeito para a luz do sol.
http://www.festivalislamicodemertola.com/ )