sábado, 19 de agosto de 2017

Obrigado, Bombeiros !...














Portugal está a ser consumido por chamas, devido á sede de lucro fácil de algumas pessoas e empresas ...
Estamos a ser vitimas de incêndios em eucaliptais, típicos da Austrália, mas em áreas aonde não há koalas nem cangurus, onde há gente a morar, a viver e a trabalhar...
Os grandes heróis são os do costume: habitantes locais e Bombeiros, chamados a apagar os fogos com o risco da sua própria vida...
Um grande Obrigado a todos os Bombeiros, Militares e toda a gente que tenta minimizar o impossível de controlar !...

Fotos retiradas da NET.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Limpeza na Ermida (Alandroal)











Limpeza da Ermida de Nossa Senhora das Neves no Alandroal, obrigado a todos os que participaram...

Pois é, nós que aqui vivemos e amamos esta terra alentejana, fazemos isto e muito mais: 
Limpamos caminhos, retiramos lixo, guiamos turistas, fazemos patrulhas apeadas neste imenso território quase abandonado. Tudo por amor á camisola...
Não perdemos tempo com reuniões chatas e temos alergia a ar condicionado...
Não estamos á espera de trabalho fácil: arregaçamos as mangas e vamos para o terreno, ás vezes sem autorização de ninguém...
Viva a Cidadania pró-activa !...

Trip Alentejo (Alandroal)
Projeto Alcáçovas Outdoor Trails (Viana do Alentejo)

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Península de Troia








Situada numa zona de grande beleza natural, a Península de Tróia é uma faixa de areia dourada com cerca de 17km de comprimento e 1,5km de largura, rodeada por um mar azul que faz deste local um destino privilegiado para momentos de lazer.
As praias de Tróia são famosas pela sua tranquilidade e boas condições que oferecem a todos os visitantes, usualmente praias de larga extensão que consagram espaço e condições para todos.
Este é um local ocupado pelo homem desde tempos antigos, sendo no período de ocupação Romana uma ilha do delta do Sado, denominada de Ilha de Acála, sendo ainda hoje visíveis as Ruínas Romanas de Tróia que atestam este período histórico, nomeadamente desde o século I d.C..
Tróia serviu então, durante muitos séculos e no encaminhamento da utilização dada pelos Romanos, como um local industrial de salga e conserva de peixe e de funções piscatórias em geral, tendo no século XVIII tido lugar escavações arqueológicas que confirmaram a existência de antigos pequenos aglomerados residenciais. ( Guia da Cidade)




quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Beja










Beja é uma cidade pertencente à região do Alentejo e sub-região do Baixo Alentejo capital do Distrito de Beja e Capital do Baixo Alentejo com cerca de 23 400 habitantes no seu perímetro urbano, sendo a capital do Distrito de Beja e sede da Diocese de Beja.
É sede de um dos mais extensos municípios de Portugal, com 1 106,44 km² de área e 35 854 habitantes (2011), subdividido em 12 freguesias O município é limitado a norte pelos municípios de Cuba e Vidigueira, a leste por Serpa, a sul por Mértola e Castro Verde e a oeste por Aljustrel e Ferreira do Alentejo.
Conta a lenda que quando a cidade de Beja era uma pequena localidade de cabanas rodeada de um compacto matagal, uma serpente assassina era o maior problema da população. A solução para este dilema passou por assassinar a serpente, feito alcançado deixando um touro envenenado na floresta onde habitava a serpente. É devido a esta lenda que existe um touro representado no brasão da cidade.
Fonte: Wikipédia

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Andanças 2017





















O Andanças é um festival que promove a música e a dança popular enquanto meios privilegiados de aprendizagem e intercâmbio entre gerações, saberes e culturas. Com um olhar dos dias de hoje, o Andanças propõe-se reavivar hábitos sociais de viver a música retomando a prática do baile popular através de múltiplas abordagens às danças de raiz tradicional, portuguesas e do mundo, com vista à recuperação das tradições musicais e coreográficas, fundindo-as com elementos contemporâneos.

No Andanças é possível aprender mais de meia centena de estilos de dança diferentes: este é o resultado das sinergias que se geram entre cidadãos do mundo, ávidos de partilhar saberes. Desde as danças portuguesas, africanas, danças ao estilo americano e às diversas danças europeias: húngaras, balcânicas, bascas, ciganas, bálticas, belgas, do Poitou, italianas, galegas, catalãs, mediterrânicas, etc. Para além de alimentar a curiosidade pela diversidade, o Andanças procura ainda lembrar que a música popular (também) é sinónimo de identidade e muitas vezes da sua sobrevivência.

 Desde 1996 que o Andanças reúne anualmente pessoas de todo o mundo, num espírito de partilha, encontro e práticas sustentáveis, constituindo uma alternativa aos outros festivais de Verão. É um espaço onde se dança, se faz música, se experimenta, mas também onde se partilham e se cruzam propostas e ideias para um mundo melhor.
Este ano , o local escolhido para ser palco do Andanças17, foi a bonita vila de Castelo de Vide.
Durante quatro dias, de 8 a 11 de Agosto, a vila de Castelo de Vide acolheu e foi um dos cenários da edição deste ano. Num formato reconhecido por todos e que continuará a ter por base os pilares do Andanças -  dança e música, voluntariado, comunidade e sustentabilidade – esta edição pretendeu manter a qualidade, a diversidade na programação e perpetuar o conceito do festival como laboratório de ideias, experiências e criações como génese de sonhos e momento de sinergias.
Texto: https://www.viralagenda.com/pt/events/335863/festival-andancas-2017
Fotos gentilmente cedidas pelo nosso compadre amigo José Manuel Costa.