sábado, 30 de dezembro de 2017

Barros do Redondo








A Memória colectiva é a memória ou o conjunto de memórias, mais ou menos conscientes de uma experiência vivida ou mistificada por uma comunidade, cuja identidade é parte integrante do sentimento do passado; memória compartilhada de um grupo, família, grupo religioso, étnico, classe social, região ou nação.
É através dessa memória colectiva que se funda e fomenta a nossa identidade cultural, tipicamente passada de uma geração para a geração seguinte.
A cultura popular é o resultado de uma interacção contínua entre pessoas de determinadas regiões e recobre um complexo de padrões de comportamento e crenças de um povo. Nasceu da adaptação do homem ao ambiente onde vive e abrange inúmeras áreas de conhecimento: crenças, artes, moral, linguagem, ideias, hábitos, tradições, usos e costumes, artesanatos, folclore, etc.. Surge das tradições e costumes e é transmitida de geração para geração, principalmente, de forma oral.
O mais importante na arte popular, ou cultura popular, não é o objeto produzido, mas sim o artista, o povo, a periferia, isso faz com que a arte popular seja contemporânea ao seu tempo. “A obra de arte popular constitui um tipo de linguagem por meio da qual o homem do povo expressa a sua luta pela sobrevivência. Cada objeto é um momento de vida. Ele manifesta o testemunho de algum acontecimento, a denúncia de alguma injustiça” . .( AGUILAR, Nelson (org). Mostra do Redescobrimento: arte popular. In: BEUQUE, Jacques Van de. Arte Popular Brasileira, p. 71.)
Fonte: Wikipédia
A arte popular, actualmente, é ao mesmo tempo conservadora porque ligada à tradição mantém a sua temática, e inovadora porque enriquece a tradição juntando-lhe os novos elementos que surgem com o tempo. (Damos como exemplo a artesanato em cortiça e a Barrística de Estremoz)
Uma forma preciosa que temos de transmitir a identidade cultural do povo alentejano às novas gerações e às gerações vindouras, é através da sua Arte Popular ou Artesanato. 


Texto da autoria da nossa comadre Ana Maria Saraiva,
https://www.facebook.com/groups/imagensdoalentejo/
Fotos retiradas da Internet.