sábado, 7 de março de 2015

Azulejos do Mercado de Montemor-o-Novo







Estes painéis de azulejos revestem a fachada do Mercado de Montemor-o-Novo e são datados do Séc XIX, estes azulejos retratam cenas do quotidiano alentejano de outrora.
Entre Lisboa e Espanha, nó central dos eixos viários que ligam o centro e o sul do país, Montemor-o-Novo é uma das terras mais atravessadas e menos conhecidas de Portugal.
É tempo de a descobrir: a cidade insuspeitada que se esconde para lá da avenida dos cafés e restaurantes e, também, a beleza do campo que a envolve, complementa e estende. Montemor não surpreende apenas pelo inesperado. O seu encanto nasce da simplicidade com que o presente se sente, da força do passado que evoca, da imaginação que estimula ao primeira olhar.
Montemor marca-a a força ancestral das ordens religiosas e da nobreza agrária, expressa em belas casas senhoriais setecentistas, em múltiplos conventos (alguns restaurados para novas funções), em igrejas que associam portais manuelinos, ricos altares barrocos e inesquecíveis frescos e azulejas.
A memória destes tempos convive serenamente com o presente e integra-se nele como as casa humildes de quem teve destino mais constante.
Texto: www.portugalvirtual.pt/