sexta-feira, 27 de março de 2015

Figurado de Barro de Estremoz





FIGURADO EM BARRO DE ESTREMOZ - Registo no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial – CONSULTA PÚBLICA
A 25 de fevereiro de 2015 teve início a fase de consulta pública relativa ao pedido de registo da «Produção de Figurado em Barro de Estremoz» no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial. A referida consulta pública realiza-se para cumprimento do estabelecido nos n.ºs 1 e 2 do art.º 14.º do Decreto-Lei n.º 139/2009, de 15 de junho, conjugado com o disposto no Decreto-Lei n.º 115/2012, de 25 de maio. Prazo de pronúncia dos interessados – 8 de abril
O Figurado em Barro de Estremoz constitui um tipo de produção, de carácter artesanal, identificado em exclusivo com o centro de produção que lhe confere a designação, e de que constituem principais marcas identificativas o seu processo de modelação, a diversidade e carácter único dos modelos produzidos, assim como o respetivo carácter estético, expresso em particular na sua viva policromia. 
As origens do Figurado de Estremoz remontam ao séc. XVII/XVIII, conforme documentado em diversas fontes e coleções nacionais, em particular a do Museu Municipal de Estremoz, e encontram-se intimamente ligadas à produção de imaginária devocional, nomeadamente imagens de “Nossa Senhora da Conceição” e “Santo António”, a que acresce, em finais do séc. XVIII, a produção de “Presépios”, em todos os casos destinados a consumo por parte das classes populares. 
A partir de meados do séc. XIX ocorre uma primeira alteração na produção de Figurado, expressa na sua miniaturização, simplificação formal e autonomização de Figuras originalmente associadas ao “Presépio”, tais como representações de ofícios tradicionais e de atividades do quotidiano. Tendo a produção entrado em decadência em finais de séc. XIX, quando então apenas duas famílias de barristas se encontravam ainda em actividade, a tradição é recuperada em 1935 graças ao trabalho do escultor José Maria Sá Lemos (1892–1971), então diretor da Escola Industrial António Augusto Gonçalves, em Estremoz. Este momento documenta o início do ciclo que se mantém até o momento na produção do Figurado em Barro de Estremoz, caracterizado, pelo papel desempenhado por várias entidades na viabilidade e valorização da tradição – a nível local, regional, nacional ou mesmo internacional –, pela definição formal dos tipos de Figurado considerados como identificativos da tradição local, pela reintrepretação de anteriores tipos de Figurado e pela introdução de novos modelos inspirados em tradições externas ao centro de produção de Estremoz.
Ver mais: http://www.matrizpci.dgpc.pt/…/In…/InventarioConsultar.aspx…


Visto em: www.facebook.com/pages/Kit-de-Recolha-de-Património-Imaterial