quinta-feira, 30 de abril de 2015

Romaria a Cavalo (By Carlos Cupeto)













(...) A meio da tarde um cavalo solto veio animar os romeiros. Por sorte estava por perto e como desconhecedor confesso do tema tive, ao vivo, a dança entre cavalo e homem durante mais de uma hora até que este, talvez por cansaço, se deixou apanhar. Mas a maior revelação foi tomar consciência do perigo que constitui para a Romaria um cavalo solto, sobretudo quando há éguas “saídas” por perto como era o caso.
Ainda ontem na chegada a Casebres, percebe – se o Alentejo, foi apoteótica, muita gente na rua venerou com autenticidade a passagem da Santa. Algumas destas pessoas vieram de fora para terem o privilégio de ver a imagem no carro – andor.
A saída hoje foi bem cedo, havia cerca de 60 quilômetros para fazer antes de chegar às Alcáçovas. Já ninguém duvida, estamos mesmo no Alentejo.
A paisagem é agora bem mais bonita e com menos humanidade.
Quanto valem estas pinturas, agora verdes, daqui a pouco amarelas, castanhas e por aí fora? Um valor quase infinito. Brutal, arrebatador. Se em cima disto pusermos cavalos, charretes e cavaleiros não conseguimos escrever.
Uma experiência real única à espera de uma visão estratégica que se transforme em riqueza para quem aqui vive.
É absurdo que esta canada real não seja já hoje uma mais valia sem preço. (...)
24ABR15

Texto e fotos do nosso compadre Carlos Cupeto, retirados do seu blog:
http://www.otrosmundos.cc/2015/04/romaria-a-cavalo-moita-viana-abril-de-2015/