domingo, 6 de abril de 2014

Igreja Matriz de Viana do Alentejo










Ao doar carta de foral a Viana do Alentejo em 1313 D. Dinis mandou edificar a "cerca de muro em que seia a villa de quatrocentas braças" na qual teriam que ser rasgadas três portas, doando para a obra mil libras (PAIS, 2004, p. 134). Porém, a fortificação que actualmente se implanta sobranceira à povoação "(...) não corresponde a esta intenção régia (...) e as investigações mais recentes inclinam-se para a probabilidade de a cerca dionisina não ter chegado a ser construída, podendo o Castelo de Viana do Alentejo ser uma obra dos finais do século XV ou inícios do século XVI." (Idem, ibidem).
A estrutura do castelo é constituída por cinco panos de muralhas, rematados nos vértices por torreões cilíndricos cobertos por coruchéus. O coruchéu que remata a torre de menagem é mais alto que os restantes, albergando uma sineira com aberturas em todas as faces.
Dentro da cerca foi edificada cerca de 1521 a Igreja Matriz, de traça manuelina, atribuída a Diogo de Arruda, à época mestre das obras da Comarca do Alentejo. Do lado oposto do recinto muralhado ergue-se a Igreja da Misericórdia, construída no mesmo período que a matriz e também atribuída a Arruda, e o edifício onde até finais do século XVII funcionaram os Paços do Concelho. No pátio do castelo eleva-se um cruzeiro manuelino.
Entre os anos de 2000 e 2005 foi levado a cabo o Projecto de Conservação, Recuperação e Valorização do Castelo de Viana do Alentejo, que contemplou escavações arqueológicas, durante as quais foi descoberta uma necrópole, bem como obras de consolidação, restauro e limpeza das muralhas, das igrejas matriz e da Misericórdia e do cruzeiro.
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR, I.P./ Fevereiro de 2011
Fotos gentilmente cedidas pela nossa comadre Anabela Fialho