domingo, 26 de outubro de 2014

Compadre Carraceiro




Brancas como neve, estas simpáticas aves andavam por ali a alimentar-se dos parasitas que encontravam no lombo dos cavalos. Aproximei-me devagarino e zás, tirei-lhes estas fotos antes que voassem para longe de mim...
O Carraceiro alimenta-se de tudo, desde minhocas, insectos, etc. Mas o verdadeiro valor destas pequenas aves é limparem as carraças dos lombos de outros animais, tais como cavalos, ovelhas, vacas, evitando a propagação de doenças nas manadas, contribuindo assim para o lucro dos agricultores e criadores de gado.
Estas fotografias foram tiradas no Monte da Namorada, ao pé de Beja.

Garça de tamanho médio, que pode efectuar movimentos de dispersão de alguma amplitude desde o local onde nidifica.
É muito comum e residente em Portugal, podendo no entanto haver uma migração parcial para o norte de África durante o Inverno.
Frequenta zonas abertas de vegetação rasteira. Pastagens, cursos de água, prados húmidos, arrozais, pauis.
Alimenta-se principalmente de insectos, mas também os moluscos e girinos, peixes, répteis e pequenos mamíferos, fazem parte da sua alimentação. No Inverno é frequente a sua visita a lixeiras para se alimentar. Está associada ao gado, pois alimenta-se dos animais que este vai espantando.
O ninho é instalado em caniçais, arbustos ou árvores.
As posturas podem ir até três, mas o comum é uma postura única de 4 a 5 ovos. A incubação é de 22 a 26 dias, e as crias fazem o seu primeiro voo aos 30 dias aproximadamente.
As suas colónias são frequentemente destruídas, pois os lavradores acusam estas aves de poluírem com os seus dejectos os locais onde o gado vai beber, de serem transmissoras de doenças, entre outras coisas. Cientificamente estas acusações não têm qualquer fundamento.