sexta-feira, 21 de julho de 2017

Abetardas

Abetardas (Otis tarda)
Castro Verde, 02/03/2017

Foto: Paulo Almeida Plácido
Identificação

Muito grande. Os machos chegam a pesar 16 kg, as fêmeas são um pouco mais pequenas, sendo a
diferença visível quando estão perto dos machos. A plumagem é castanha e o pescoço esbranquiçado.
Devido ao seu comportamento muito arisco, as abetardas raramente se deixam ver a pequena distância,
pelo que estes aspectos nem sempre são fáceis de observar.


Abundância e calendário


Pouco comum e com uma distribuição muito localizada, a abetarda muito difícil de encontrar fora dos seus
locais habituais de ocorrência. A espécie conta hoje em Portugal com uma população de cerca de 1000
indivíduos (metade dos quais se encontram nas planícies de
Castro Verde). Frequenta sobretudo grandes
extensões abertas e dificilmente tolera aproximações de pessoas a menos de um quilómetro. Embora a
espécie seja sobretudo residente, é habitual haver alguma dispersão de indivíduos nos meses de Verão,
havendo então observações esporádicas de abetardas noutras regiões do país.


Onde observar

É nas planícies alentejanas que é mais fácil observar esta espécie. No Inverno se formam-se
bandos que podem reunir muitas dezenas de indivíduos.



Beira interiora abetarda é rara para norte do Tejo, sendo a campina de Idanha o melhor
local da região para observar esta espécie.


Lisboa e Vale do Tejorara e irregular, não nidifica nesta zona; por vezes observa-se no
estuário do Tejo (em especial na Ponta da Erva) durante os meses de Verão.


Alentejoa região de Castro Verde reúne a maior concentração de abetardas do país e é
o melhor local do território nacional para observar esta espécie; outros locais favoráveis para ver abetardas situam-se nas zonas de Cuba, Mourão, Elvas, Évora e Alter do Chão.

Texto copiado integralmente do site: http://www.avesdeportugal.info/