sábado, 12 de maio de 2018

Portas e Janelas Medievais de Évora













Nas ruas de Évora encontram-se quase 20 séculos de história. Celtas, visigodos, romanos e muçulmanos foram alguns dos povos que deixaram marca nesta cidade-museu, incluída na lista de Património da Humanidade desde 1986.

Évora é cidade contadora de histórias. As ruas revelam uma monumentalidade construída ao longo de milhares de anos por diferentes civilizações que ali foram chegando desde a antiguidade. Para os celtas, foi Ebora; para os romanos, Liberalitias Julia. Do período da romanização conserva o Templo de Diana, local de culto ao imperador Augusto, as termas e vestígios da antiga cerca defensiva. 
Da época visigótica resta a Torre de Sisebuto. Dos muçulmanos guardam-se memórias nos arruamentos labirínticos, nas ruínas do antigo Kasba… os mouros seriam depois expulsos por esse cavaleiro que é uma lenda e que tem direito a uma praça no coração da cidade: Geraldo Sem Pavor, foi ele que conquistou e ofereceu Évora ao rei D.Afonso Henriques, integrando-a assim nos reinos de Portugal.
Na época medieval surgem grandes edificações. A Sé Catedral, começada no século XIII e terminada no século XIV, é uma das mais importantes do país. Mas é quando os reis de Portugal passam a ter ali residência, que Évora ganha dimensão verdadeiramente “cosmopolita”. Constroem-se palácios, casas senhoriais, conventos, igrejas. Velhos edifícios são remodelados com azulejos e talha dourada.Em 1559 é fundada a Universidade do Santo Espírito, onde ensinaram jesuítas, o que a transforma também num centro de cultura e conhecimento.

Fotos da autoria do nosso compadre Luís Lobato de Faria.