segunda-feira, 24 de junho de 2013

Os Chocalhos e a sua relevância na vila das Alcáçovas


Os Chocalhos
e a sua relevância
na vila das Alcáçovas

Autor: ANDRÉ CORREIA

Ensaios / 22
120 pp (quadricomia)

Formato: 17 cm x 24 cm
ISBN: 978-989-680-092-5
Data de Publicação: Junho de 2013
PVP: 15,90 euros

A presença dos chocalheiros na vila das Alcáçovas tem um relevo especial. Nesta pequena povoação, várias gerações de chocalheiros dominaram em quantidade e qualidade a arte de fazer chocalhos. A história destes homens e mulheres é invulgar e merece ser conhecida, preservada e continuada.

AS ALCÁÇOVAS:
A história da vila das Alcáçovas é rica de memórias, de património material e imaterial, e de muitas pequenas — e grandes — coisas que fizeram e que nalguns casos ainda fazem dela aquilo que é hoje. Entre esse rico património, talvez desmesurado para terra tão pequena, encontramos a arte dos chocalhos e dos chocalheiros.

O CHOCALHO:
De Trás-os-Montes ao Alentejo, o chocalho foi usado durante séculos ou milénios nos rebanhos e manadas de ovídeos, caprinos e bovinos, e até noutros animais.
O som dos chocalhos, nas nossas planícies e montanhas, fez sempre parte da paisagem e em muitas vilas e aldeias surge como um som místico, quase sagrado, em festas populares.
Pouco se tem escrito sobre o chocalho e pouco se sabe sobre este artefacto, prático e decorativo, objetivo e simbólico.

O LIVRO:
O que este livro nos oferece é um contributo para uma melhor compreensão deste instrumento sonoro e da sua ligação profunda à vila das Alcáçovas.

O AUTOR:   André Correia
Economista reformado, cofundador e sócio honorário da Associação Portuguesa de Marketing, Presidente da Direção da ‘Amigos das Alcáçovas – Associação de Defesa do Património’, conhecida pela sigla AAA (Associação dos Amigos das Alcáçovas), e apaixonado pela História e pelas histórias dos que mantêm vivas as tradições. Encontrou nas Alcáçovas, onde vive há cerca de uma dezena de anos, uma vila cheia de riquezas históricas e de interessantes narrativas acerca de gente simples, mas de enorme valor. Quis ficar a conhecer o percurso e o trabalho dos seus artesãos chocalheiros e escreveu este livro por entender que o que descobriu e aprendeu deveria ser partilhado.

Esta obra foi publicada com o alto patrocínio da Câmara Municipal de Viana do Alentejo.