terça-feira, 5 de novembro de 2013

Raid Pedestre na Juromenha
























Castelo da Juromenha-
A região da Juromenha, provavelmente devido à sua posição estratégica, junto ao rio Guadiana, foi ocupada por povos anteriores ao domínio romano da península, e o próprio Júlio César, em 44 a. C., terá mandado reforçar as suas defesas.   A ocupação muçulmana durou quase dois séculos, mas em 1167, D. Afonso Henriques, tomou este castelo, que seria de novo conquistado pelo califa Almançor, para, em 1191, regressar definitivamente à posse portuguesa.   O rei D. Dinis, concedeu-lhe Carta de Foral em 1312, seguindo-se o reforço das suas defesas, de que fazia parte uma Torre de Menagem com cerca de 40 metros de altura. Durante a Guerra da Restauração foi construída uma nova fortificação, confundindo-se com a anterior.   Ainda decorria esta construção, por volta de 1659, quando o paiol explodiu, destruindo muito das estruturas e causando bastantes mortes, também o terramoto de 1755, causou danos que levaram a novas obras de recuperação.   Actualmente muito arruinada, esta estrutura defensiva está classificada como Imóvel de Interesse Público.
Em 1801, o local voltou a ser protagonista da História de Portugal, e por alturas da Guerra das Laranjas, conflito que ficou a dever o nome a um gesto sedutor de Manuel Godoy, Príncipe da Paz e generalíssimo do exército espanhol que, aquando do cerco de Elvas, enviou um ramo de laranjeira e os respetivos frutos à rainha Maria Luísa de Espanha, junto com a mensagem: “Eu careço de tudo, mas sem nada irei para Lisboa”. Assolada pelos espanhóis, Juromenha foi então entregue sem resistência pelo seu governador, o tenente-coronel Gama Lobo, que por tal foi julgado em Conselho de Guerra e degredado para Angola.
Terminada a inconsequente Guerra das Laranjas, a fortaleza não mais voltou a ser palco de confrontos bélicos e, após a reforma administrativa de 1835, Juromenha foi integrada no Concelho do Alandroal, situação que hoje se mantém.

http://www.casasdejuromenha.com/envolvente.php

Fotos cedidas gentilmente pela nossa comadre Florbela Vitorino e captadas nesta bonita zona da Raia Alentejana.
Intervenientes neste reconhecimento de percursos:
Nuno Lacerda, Luis Rocha, Paulo Silva, Paulo Fanha, António Maria Soares, Susana Valido e Florbela Vitorino.