sábado, 1 de março de 2014

Observação de aves no Alqueva



Devido às suas características, o Alqueva, é sem dúvida, um bom local para observação de aves.
A zona de Monsaraz e Mourão é uma zona priviligiada em relação a esta prática. Para quem gosta de aliar a beleza da paisagem, monumentos e vida selvagem, esta é uma zona que devem conhecer.



Paisagem do Alqueva vista a partir do Castelo de Monsaraz.


Vista de algumas aldeias através de uma das entradas de Monsaraz.





As espécies de aves observadas, ao longo de toda a área que compreende Monsaraz, Mourão e Aldeia da Luz, são do mais diversificado possível. Entre as espécies que poderão ser observadas encontram-se os Grous. O grupo dos Grous tem catorze espécies e está distribuído pela América do Norte, Europa e Ásia, África e o norte da Austrália.
O macho denomina-se grou, e a fêmea grua.
Os grous são aves de grande porte, geralmente com plumagem em tons de cinzento, branco e castanho. As penas secundárias das asas são muito longas e viradas para baixo, uma característica do grupo. Algumas espécies apresentam plumas ornamentais na região da cabeça. O bico é comprido e direito, o pescoço é longo bem como as patas.
Os grous são aves gregárias, que comunicam entre si através de vocalizações ruidosas. São migratórias e voam sempre com o pescoço estendido. Na época de reprodução constroem um ninho feito de lama e vegetação em regiões pantanosas, onde colocam dois ovos. Os juvenis recebem a atenção de ambos os progenitores.

No caso do que aparece nesta zona do Alentejo trata-se do grou comum (Grus grus), cujo habitat é o norte da Europa e a porção ocidental da Ásia. É uma ave migratória que percorre grandes distâncias (passa o inverno na África e no sul da Europa. Os bandos em migração voam numa formação em V.
O grou europeu comum é uma ave de pernas e pescoço longos que atinge 1 m de altura. Tem plumagem cinza em quase todo o corpo, e branca em parte do pescoço e da cabeça, além de penas pretas na cauda. Os adultos têm uma espécie de "coroa" vermelha na cabeça.
Emitem um som como o de uma corneta, como alarme e em vôo. Durante a corte exibem uma espécie de dança, mantendo as asas erguidas. Alimentam-se de insetos, sementes, ervas, lagartos e anfíbios.

Aqui ficam algumas fotos desta espécie que nos visita sempre no Inverno, nos mesmos locais.












Fica feito o convite aos amantes da Natureza.