quinta-feira, 11 de setembro de 2014

O Cante e Bonecos de Barro de Estremoz


Grupo de Cantadores
Ana Bossa (Séc.XXI)
Colecção Particular.

A identidade cultural alentejana tem a ver com a arte popular, na qual se insere a manufactura dos bonecos de Estremoz. Estes são figuras cerâmicas, geralmente antropomórficas ou zoomóficas, confeccionadas através de práticas ancestrais iniciadas em Estremoz, que remontam aos finais do séc. XVII – princípio do séc. XVIII e que chegaram aos nossos dias.
A identidade cultural do povo alentejano tem igualmente a ver com o cante, que segundo a tese litúrgica do padre António Marvão teve origem em escolas de canto popular fundadas em Serpa, por monges paulistas do Convento da Serra d’Ossa, os quais tinham formação em canto polifónico.
Manuel Ribeiro na "Lembrança dos Cantadores da Aldeia Nova de São Bento, Mértola, Vidigueira e Vila Verde de Ficalho", diz-nos:
Só no Alentejo há o culto popular do canto. Ali se criou o tipo original do “cantador”. Pelas esquinas, altas horas, embuçados nas fartas mantas, agrupam-se os homens: esmorece a conversa, faz-se silencio e de subito, expontâneamente, rompe um coral. É o diálogo em que eles melhor se entendem, é a conversa em que todos estão de acôrdo.
Quem não viu em Beja, em certas ruas lôbregas, em certos recantos que escondem ainda os antros esfumados das adegas pejadas de negras e ciclopicas talhas mouriscas, quem não viu duas bancadas que se defrontam e donde se eleva um canto entoado, solene e soturno, com o quer que seja da salmodia dum côro de monges?
Embora possa cantar só, o alentejano canta sobretudo em coros e esse canto é sério, dolente, compenetrado e mesmo solene, porque o alentejano é lento, comedido e contemplativo, por força do Sol escaldante.
O cante e os bonecos de Estremoz são duas fortes marcas identitárias do Alentejo, qualquer deles candidato a Património Imaterial da Humanidade. Para estabelecer a conexão entre as duas candidaturas, nada melhor que o exemplar do figurado de Estremoz que ilustra a presente crónica.