segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Em Vila de Frades...










VILA DE FRADES 


No sangue rubro dessa sua cor
No seu perfume, no seu paladar
Tanto Alentejo há no seu sabor
E este desejo de o saber cantar 
(refrão)


Vila de Frades já não tem abades
Mas tem adegas que são catedrais
Os seus palhetes são brilharetes
São de beber e chorar por mais 
São de beber e chorar por mais
Nossas gargantas são o seu caminho
Cantam os melros, cantam os pardais
Cantamos nós à festa do vinho 
(refrão) 

Vila de Frades já não tem abades
Mas tem adegas que são catedrais
Os seus palhetes são brilharetes
São de beber e chorar por mais 
Pacata, pura, sem grandes alardes
Também outrora tomada à moirama
Branca e singela é Vila de Frades
Nesta planície linda alentejana 
(refrão) 

Vila de Frades já não tem abades
Mas tem adegas que são catedrai
Os seus palhetes são brilharetes
São de beber e chorar por mais

(A letra desta bonita canção é da autoria do vilafradense Joaquim Caeiro, que com ela quis homenagear a sua terra natal. A música é de raiz tradicional transtagana).

Fotos da autoria da nossa comadre e amiga Anabela Fialho.