domingo, 10 de janeiro de 2016

O 25 de Abril visto por Sebastião Salgado

Conheço relativamente bem a obra do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e tinha a ideia de ter visto umas fotografias suas a propósito da revolução de Abril em Portugal. Com o tempo deixei de ter a certeza à força de não as encontrar.
Fazendo “escavações” na biblioteca, acabei por descobrir onde estavam. Trata-se de um pequeno livrinho intitulado “Um Fotógrafo de Abril”, da editorial caminho, editado em 1999 e destinado a comemorar o 25º aniversário do 25 de Abril. Contém algumas fotografias de Salgado em 1974 e 1975, ao serviço da agência fotográfica Sygma, precisamente com a missão de documentar o que se passava em Portugal com a “Revolução dos cravos”.
Das várias fotos escolhi esta porque sempre me perturbou. Trata-se da ocupação de um latifúndio por trabalhadores agrícolas, em Alcácer do Sal em outubro de 1975.
O que me fascina nesta fotografia é a invulgar capacidade do fotógrafo em captar a essência humana, neste caso, julgo eu, materializada na ideia de existirem sempre duas formas de ver a mesma coisa.
Os ocupantes parecem o resultado de um erro de “Casting”. Parecem vitoriosos mas ao mesmo tempo desconfortáveis nessa vitória quando, contrariando tudo o que aprenderam, tomam posse de coisas alheias.
Na realidade o que Salgado captou foi a incomunicabilidade desta espécie de duplo erro de casting. O cavaleiro, que protagoniza os anteriores proprietários, também está desenquadrado.

Texto e foto retirados do blog do nosso compadre José Vilhena Moreira,
http://memoriacomhistoria.blogspot.pt/