segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Da azeitona ao azeite...


De Outubro a Janeiro, com os campos cobertos de geada, faz-se a apanha da azeitona. Ranchos de mulheres saem de casa antes do nascer do sol e começam a apanhar o "restelo" do chão.
Sob um frio de cortar, os homens sobem ás oliveiras através de escadas e, ripando ou varejando, fazem a azeitona cair sobre o "panal" previamente estendido em volta das oliveiras, donde é apanhada por mulheres. Estas, vergadas sobre si mesmas, apanham o fruto que no final do dia é "cirandado" ou "padejado", dando-se ao vento para separar as folhas da azeitona, que assim fica pronta a ser ensacada e transportada em carroças puxadas por "muares".
A azeitona nova é retalhada, temperada com sal e orégãos e conservada em "tarefas", enquanto a madura é enviada para os lagares, onde lhe é extraído o óleo que será transformado em azeite...

Texto copiado do folheto gentilmente disponibilizado pelo Centro Interpretativo do Mundo Rural, Vimieiro.