terça-feira, 7 de julho de 2015

Montemor-o-Novo
















É um dos maiores concelhos de Portugal. Com uma área de 1.450 quilómetros quadrados, aqui vivem actualmente cerca de quarenta e cinco mil habitantes.
É constituído por dez freguesias: Cabrela, Ciborro, Cortiçadas de Lavre, Foros de Vale de Figueira, Lavre, Nossa Senhora da Vila, Nossa Senhora do Bispo, Santiago do Escoural, S. Cristóvão e Silveiras. Um número que em meados do século era muito maior.
A própria cidade e sede de concelho chegou a ter quatro freguesias, hoje reduzidas a duas. O território foi conquistado aos mouros (que aqui haviam erguido uma fortaleza defensiva, cujos restos ainda hoje subsistem na vila), definitivamente (porque antes já o fora por D. Afonso Henriques) durante o reinado de D. Sancho I.
Este monarca deu foral a Montemor-o-Novo em 1203. No entanto, o seu povoamento é muito anterior aos sarracenos.
No tempo dos romanos, Montemor-o-Novo era a cidade de Castrum Malianum, e antes ainda aqui estiveram povos neolíticos, como o atestam algumas figuras rupestres no Escoural. Terão sido os primeiros habitantes do concelho. Em 15 de Agosto de 1503, Montemor-o-Novo recebia novo foral, desta vez concedido por D. Manuel I.
Nasceu neste concelho S. João de Deus, um Santo português que deixou a sua presença bem marcada pelos actos da maior benemerência em Portugal e em Espanha.
Foi beatificado em 1623 e canonizado em 1690. Os principais produtos produzidos em Montemor-o-Novo são a cortiça, o carvão vegetal, os cereais, o azeite, o gado e o vinho.